domingo, 29 de maio de 2011

PIADAS DE BEBÊS

 

tri-gemeos

 

NO ÚTERO

Três bebês trigêmeos batem papo no útero, enquando esperam a hora de vir ao mundo. O primeiro fala:
- Quando eu sair daqui, quero ser eletricista e iluminar tudo, porque isso aqui está uma escuridão de dar medo... O segundo bebê completa:
- Ah! Pois eu vou ser encanador pra dar um jeito nesse aguaceiro!
- Pois eu vou ser policial!
- diz o terceiro.
- Por quê?
- estranharam os outros dois bebês.
- Pra prender aquele cara encapuzado e careca que vem aqui toda hora cuspir na gente!

 

20060426100621

 

A Mãe Loira

A loira entra na farmácia com um bebê no colo e pergunta para o farmacêutico:
— Moço, eu posso usar a sua balança de bebê?
— Infelizmente a nossa balança para pesar bebês está quebrada — responde ele.
— Mas nós podemos calcular o peso do bebê se pesarmos a mamãe e o bebê juntos na balança de adultos e, em seguida, pesarmos a mamãe sozinha. Depois é só subtrairmos o segundo valor do primeiro!

— Que interessante! — exclama a loira, abismada — Pena que não vai dar certo...
— Por quê? Algum problema?
— É que eu não sou a mãe do bebê! Sou a tia!

Horrivel

menino_a_mijar
Trigêmeos

Havia uma mulher grávida de trigêmeos na fila do banco. Um assaltante deu três tiros na barriga dela e acertou uma bala em cada bebê. Como só acontece em piadas chatas, os bebês sobreviveram.
Cinco anos depois, veio uma das crianças correndo falar com a mãe:
— Mamãe, mamãe! Eu tava mijando e saiu uma bala de chumbo pelo meu pinto!
Então a mãe explicou o que havia acontecido. De repente, chega a segunda criança, alegando a mesma coisa, e a mãe pacientemente lhe explica a história. Outro dia chega o terceiro:
— Maaaaaaaaaanheeeeeeeê! Você não sabe o que aconteceu!
A mãe tentou adivinhar:
— Você tava mijando e saiu uma bala de chumbo pelo seu pinto, não é?
E o garoto respondeu:
— Não é nada disso! Eu tava batendo uma punheta deitado no sofá e acabei de matar a empregada!

images (24)

 
 
 
Um Filho Bastardo Não Basta

— Manuel, preciso fazer-te uma confissão — diz a mulher no leito de morte, com voz trêmula — nosso filho mais velho... Não é teu!
— Ora, pois! Não te preocupes agora com isso, mulher — responde o portuga e, abaixando a cabeça, prossegue — Sabes? O nosso filho Joaquim... Não é teu!
— Mas como, Manoel? — diz a mulher, que não sabe se ri ou se chora — Como que não é meu? Ora seu eu o tive nove meses em meu ventre!
— Mas não te lembras do primeiro dia na maternidade?
— Claro que lembro, como poderia esquecer?
— Pois então, o Joaquinzinho fez cocô e você me mandou trocá-lo e eu... O troquei por outro bebezinho que estava limpinho, limpinho!

 

1banho balde
 
Dando Banho no Bebê

O casal tinha tido o seu primeiro nenê e de repente a esposa adoece e pede para o marido dar banho na criança.
— Mas querida... — protestou ele. — Eu não sei fazer isso... Nunca dei banho em uma criança!
— Não se preocupe! Basta encher a banheirinha com água quente, e mergulhar o nenê dentro da banheira. Com uma mão você apóia a cabecinha e com a outra o bumbunzinho dele.
Dez minutos depois ela ouve um berreiro. Levanta-se atordoada, vai arrastando-se até o banheiro e vê o marido segurando o bebê pelas orelhas e mergulhando-o e tirando-o de dentro da água.
— Otávio! O que é isso? O que você está fazendo? — grita ela, nervosa. — Eu não disse para você apoiar o nenê entre os seus braços?
— É... Mas daí eu queimo os cotovelos!

 

 

Semelhança Genética

Os alunos de um colégio visitam a mansão de um importante aristocrata, que resolveu abrir as portas para visitação.
As crianças chegam e o homem começa a falar sobre as maravilhas da casa: os móveis, as estátuas, os quadros...
De repente, o ricaço nota que um dos meninos é a cara dele quando criança e, com uma pulga atrás da orelha, pergunta:
— Vem cá, meu filho. Por acaso a sua mãe, alguma vez, já trabalhou como criada aqui nesta mansão?

— Não, senhor. Agora, o meu avô, sim. Ele trabalhou durante muitos anos aqui, como jardineiro.

Prêmio na Rádio

Numa rádio do interior o locutor anuncia um concurso:
- Olha aí, pessoal! Quem ligar agora e fizer uma frase com uma palavra que não exista no dicionário ganha duas entradas para o cinema.
O telefone toca.
- Alô! Quem é?
- Oi, é o Vanclernildo, do Jardim Tilápia.
- Olá, Vanclernildo! Já conhece a brincadeira? Qual a sua palavra?
- Sim, a minha palavra é vaice!
- Vaice? Como se escreve?
- É assim, ó: V - A - I - C - E!
- Bom, realmente essa palavra não existe. Pode falar então a frase!
- Ok, lá vai... Vaice fuder! - e o ouvinte desliga o telefone.
Constrangido, o locutor tenta avisar os outros ouvintes:
- Que é isso pessoal! Vamos colaborar, tem crianças ouvindo o programa... Vamos pra próxima ligação...
- Oi, eu sou o Joselito! Aqui do Bairro Perobal dos Macacos!
- E então, Joselito. Qual a sua palavra?
- É Eudi!
- Eudi? Como se escreve?
- Assim: E - U - D - I.
- Certo! Essa palavra não está mesmo no dicionário. Pode fazer a frase, Joselito!
- Certo, lá vai... Sou eudi novo e vaice fuder!

bb-castigo
 
Castigo Injusto

A garotinha chega da escola em prantos.
— Mamãe, mamãe, sniff... Sniff...
— O que foi, minha filha?
— Hoje... Na escola... Me puseram de castigo... Sniff...
— De castigo? Por quê?
— Por uma coisa... Que eu não fiz...
— Mas isso é um absurdo! Vamos lá, vou falar já com a diretora. E pega a mão da menina e arrasta-a para fora da casa. Na rua, vendo a filha um pouco mais calma, pergunta:
— E o que foi que você não fez, minha filha?
— A lição de casa... Buáááá...

bebe anjo, se o quarto for de anjo uma foto dessa grande
 
Mãe mentirosa

O Menino vem correndo e diz à mãe:
- Mãe, você é uma mentirosa!
- Mais por que você diz isso meu filho?
- Você disse que meu irmãozinho era um anjo!! Eu joguei ele pela janela e ele não voou...

Briga de aluno
 
Briga na Rua

Dois garotos estavam brigando na rua. Um senhor que passava por eles se aproxima e os separa.
— Você não tem vergonha? — diz ele se dirigindo ao maior dos dois. - Bater num menino bem menor do que você? Seu covarde!
— O senhor queria o quê? — respondeu o menino. — Que eu ficasse esperando ele crescer?

Nenhum comentário:

Postar um comentário